18/02/2013

BIOGRAFIAS: AHTANGE FERREIRA

Conhecendo a autora.


Ahtange Ferreira
Não vivo minha vida de acordo com os princípios dos outros, minhas palavras são pequenas amostras do meu eu, portanto, não me julgue, nem tente me entender, apenas me leia nas entrelinhas.


Biografia: De formação: bacharela em Teologia, (FETMA) Faculdade de Educação Teológica do Maranhão.  Pós-graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional (IESF) Instituto de Educação Superior Franciscano. Especialista em Educação Especial (APYNTEC) Ações Pedagógicas, Informática, Treinamentos e Cursos Educacionais. Língua Portuguesa e Literatura: pós- graduação (cursando) IESFMuito cedo tive que aprender a lidar com perdas e decepções. Sempre fui apaixonada pelos livros e seu mundo mágico dos sonhos, contos e romances, meus preferidos. Camilo Castelo Branco muito me influenciou em seu "Amor de Perdição". Amo a filosofia e a psicologia, embora seja leiga em tais assuntos. "Minha alma regozija-se quando me deparo com tais tratados. O pensamento e a alma humana são tesouros inesgotáveis e maravilhosos."

Entrevista concedida ao blog Louca Escrivaninha.

1-       Gustavo Silveira  de onde veio a inspiração para a escrita?
 Oi Gu, a inspiração veio em primeira instância, das aulas de literatura no ensino médio e a  leitura de poemas e contos, posteriormente das experiências na vida diária, lido com pessoas e sentimentos o tempo todo. Muitos conflitos e histórias de vida incríveis.

2-       Rudynalva correia soares: Gostaria de saber como é o processo criativo para escrever um livro?
Olá Rudy, Para mim foi assim, no início da minha carreira no magistério, ocorreu um fato com uma criança na escola onde eu trabalhava que me sensibilizou e despertou meu olhar para essa realidade. Pesquisei sobre o assunto, entrevistei algumas pessoas conversei com outras tantas, somei tudo isso as minhas próprias experiências e emoções e  as coloquei no papel como um grito.

3-       Genilda Silva: Qual o maior desafio encontrado para desenvolver a trama de Marcas indeléveis?
Olá Gen, o maior desafio foi recriar os fatos sem expor ou ferir demais as pessoas, inclusive pessoas mais próximas. Confesso que foi bem mais difícil do que imaginei, pois a partir de fatos “isolados” ou não, dei toda sequência e desfecho para as situações.

4-    Fernanda Meireles:  Oi, Lê. O livro Marcas Indeléveis fala sobre lutas, dificuldades, superação e recomeço. Imagino que algum leitor possa ter se identificado com todo o drama e talvez possa ter relatado isso a autora. Eu queria saber da Ahtange se houve momentos assim e qual o que mais a marcou.
Oi Fê, não foram poucas pessoas, Marcas Indeléveis é um drama da vida real, cada personagem carrega um pouco das muitas pessoas que conheci ao longo da vida. Eu convivi e acompanhei muito de perto alguns casos.
O mais incrível é como tem chamado atenção principalmente das leitoras a semelhança com vivências, suas,  ou de alguém muito próximo. Tem uma leitora da escola onde trabalhei ano passado, que me abraçou e chorou enquanto falava da perda  de um filho e que sua infância foi exatamente como a de Esther, vinda do interior ainda pequena para trabalhar como doméstica e sofreu muito.
 Outra disse – Eu vi minha mãe nessa história, ela viveu isso e eu chorei...  Outra em uma formação no início do ano, após conhecer o livro e o projeto pediu a palavra e emocionou ao relatar entre lágrimas, que sofrera  vinte e poucos anos vivendo com um homem que jamais a tocou, porém ela preferiria mil vezes. Ele já havia falecido há seis anos, mas a dor que ela carregava dentro de si, as palavras e atitudes dele deixaram nela cicatrizes que nunca parariam de doer. Então momentos como esses aconteceram antes e depois, e cada um me marcou de forma indelével.

5-       Sandra Alvarenga:  "O que é mais  difícil para um autor,  começar a escrever um livro ou enfrentar as críticas?
Olá San, ambos são difíceis, escrever dependendo do assunto, demanda leitura, pesquisa, conhecimento e vivencias sensoriais aguçadas. É preciso paciência, dedicação e muito, muito amor. O segundo caso, vem de encontro a tudo o que você fez antes, ter um livro finalizado é um parto,  dói a concepção, em alguns casos é exaustivo mesmo. Aí vem alguém e simplesmente trata o que é para você a própria vida, como se fosse um nada, sem importância alguma. Isso dói infinitamente. No início é a pior parte para o autor, depois vamos amadurecendo e aprendendo a melhorar mesmo com as críticas desconstrutivas. Passei por algumas situações que me arrancaram litros de lágrimas, mas no fim aprendi algumas valiosas lições.

6-       Erica Lima: Quando e como ele descobriu que queria ser escritor?
Olá Érica, acho que a escritora nasceu fazendo parte de mim, mas foi no ensino médio que a vontade cresceu e se estruturou. Quando percebi a necessidade de trabalhar esses temas, não via como, não era possível adentrar a este mundo sem algo mais contundente para digamos assim, justificar essa necessidade.  Pensei no centro, mas não tive créditos, tampouco apoio e ainda não tenho. Estou construindo com recursos próprios e está bem difícil, então resolvi criar a história e levar as pessoas os motivos reais para a construção, e aos poucos está funcionando e a ideia tomando forma e contornos mais concretos. Quando as pessoas se deparam com a história, pensam um pouco mais detidamente no assunto. E já não me vejo fazendo outra coisa a escritora tomou conta de todas as minhas vontades.

7-       Paty M. Castro:          Porque escolheu fazer um livro baseado em fatos reais?
Olá Paty, a principal motivação, foi conviver de perto com essa realidade dentro das escolas. Nós professores estamos engessados por um sistema mutilador, corrupto e destrutivo, onde crianças vivem cada vez mais aterrorizadas pelo medo, abandono afetivo ou material ou pelos dois, e pouco ou nada, pode-se fazer por elas sem uma parceria com a família.
Particularmente acredito que a escola enquanto agente transformador, falha em deixar de lado a família que é parte importante neste processo. Sem políticas efetivas que tragam a família para a escola, muito do que se postula não passa de falácia.  A verdadeira causa do fracasso de muitas crianças está no contexto familiar e no jogo de empurra social escola X família X sistema X professores, ou seja, ninguém assume verdadeiramente seu papel como deveria.

8-       Sandra Fernanes: Olá, gostaria de saber mais sobre o seu segundo livro psicopata.
Olá San, Psicopatia, passei bastante tempo estudando, pesquisando e tentando conhecer mais dessas criaturas impressionantes. É incrível o universo da educação infantil, pois lá você tem oportunidades maravilhosas para ajudar a sociedade ficar um pouco melhor. Isso mesmo lá, é um espaço para o professor atento descobrir alguns distúrbios emocionais e patológicos que aparecem ainda na primeira infância. Que se não descobertos a tempo trarão incontáveis prejuízos para a sociedade.
 Tenho uma amiga que ficou um tempo casada com uma pessoa de comportamento estranho, conversávamos muito e fui ficando curiosa com as coisas que ela relatava, sempre gostei de psicologia e passei a pesquisar, então descobri esses seres, juntas íamos discutindo e chegamos a conclusão de que ele apresentava algumas características que o enquadravam no grau leve de psicopatia.
Partindo desse ponto, associei um pouco de sadismo e experiência infantil traumática, somei tudo  a estrutura psicológica  de um indivíduo que chamo de Alex, o homem dos sonhos até se tornar o pior pesadelo. Trato ainda de temas como TDAH, tudo dentro do contexto familiar. Acho que ficou bom o resultado, será lançado também pela Modo até o final do ano, pelo menos torço para isso.

9-       ELLIANE RAMOS : O que te inspirou escrever?
Olá Elli, creio já ter respondido esta meu anjo, bjinhos e muito obrigada pelo carinho.

10-   Kaliban Morya: Qual foi sua primeira experiência na literatura?
Olá Kali, a primeira experiência está sendo com o MARCAS, é algo que nunca poderei esquecer.

11-   Michela Delgado "Estamos na fase em que a maioria dos autores estão lançando livros do gênero Chick-Lit e Sobrenaturais. O que a levou a escrever uma história tão forte, com sentimentos tão complexos; e alguns bem ruins, inspirado ainda em fatos reais?
Olá Michela, é interessante sua pergunta no que concerne o atual momento da literatura. Estamos  vivendo a era do vazio, onde valores estão sendo deturpados e o “ter” significa infinitamente mais do que o “ser”. Estamos camuflando nossos sentimentos e buscado soluções rápidas, porém não são duradouras, a vida e as coisas estão mudando com uma velocidade esmagadora, estamos nos acostumando com tragédias diárias, homens matando suas mulheres, filhos, e abusando de suas filhas, e isso está se tornando banal e é assustador. As novas gerações estão se enveredando por caminhos sem volta e me arrisco a dizer que o homem está voltando a seu estado primitivo e muito mais brutalizado, pois tem arraigado em suas entranhas a violência animalesca que vem destruindo a humanidade. E a humanidade está carente de humanos. Eu preciso sentir a dor do outro, a me colocar em seu lugar. Compartilhar uma imagem em uma rede social não é necessariamente lutar por um mundo melhor.
12-   Fernanda Artesanatos / Fernanda Yano:  Como surgiu a ideia de mostrar fatos que realmente acontecem no dia a dia e são tão poucos divulgados, mostrar o lado real do ser humano e não a fantasia?".

Olá Fê, acredito que a resposta anterior, casa também com esta pergunta.
E para acrescentar, só lembrando que não há desenvolvimento de uma nação sem educação e a educação de nada adiantará se for mecanizada e sem afeto. Estamos num momento onde tudo é virtual e “efêmero”. Ledo engano, tudo isto esta deixando nas pessoas cicatrizes insondáveis. A solidão assola a sociedade. E é mais fácil fantasiar um mundo perfeito, no qual não tenhamos que li dar com as dores reais.

13-   Fernanda Artesanatos: "Em seu livro, há personagens inspirados em pessoas que fazem parte da sua vida? Se sim, cite algum”.
Olá Fê,  todos eles de certa forma passaram a fazer parte de minha vida, especialmente às pessoas que me inspiraram D. Sílvia, Edna e Evilásio que já não estão entre nós.
 Uma curiosidade, na primeira versão o desfecho da história de amor de Esther e Evilásio era outra, anos depois soube de sua partida.  Refiz o capítulo e modifiquei bastante de alguma forma é como se eu o mantivesse vivo descrevendo como ele era lindo, sensível, inteligente e amado por todos. Para que não se perca essa memória de quem era de verdade.

14-   VANESSA MEISER: Sua família lê seus livros? Eles te apoiam?
Olá Van, ler nem todos, alguns não tem esse comportamento leitor,  talvez venham a ler, mas se interam de todo o processo, estão sempre divulgando entre os amigos, no trabalho.
Duas das minhas irmãs são leitoras mais ativas Graça e Madalena a última aprendeu a gostar comigo, eu lia comentava com ela e emprestava o livro, hoje ela é viciada kkkk. Quanto aos meus filhos, o mais velho é meu parceiro, opina da dica, a do meio já trilhando o caminho das letras, eu permiti ler só ano passado quando fez 14 anos acho a leitura pesada. Ela disse ter ficado encantada e se emocionou muito. A caçulinha de 12 anos ainda não permiti, acho que ela ainda não está preparada. É meu bebezinho e quero proteger um pouco mais desse mundo feio (risos).
Meus filhos  divulgam em suas escolas alguns de seus professores já leram e é tudo muito bacana.   

15-   Flávia de Jesus Santos que você se inspira para escrever? Como começou a escrever?
Olá Flávinha, respondi esta anteriormente. Obrigada pelo carinho querida, espero ter correspondido às expectativas, muitos bjinhos linda.

16-   Maristela G Rezende: O que o levou a escrever esse livro?
Olá Ma, esta já respondi mi carinho, muitos bjinhos e obrigada pelo carinho e participação foi muito importante para nós.

17-   Natalia Lima: Como surgiu a ideia para escrever os livros?
Olá Nat, esta também já respondi. Bjinhos e obrigada pelo carinho.
Boa sorte a todos! E muito obrigada adorei as perguntas estão todos de parabéns.
Grande bjo. Saibam que vocês são combustíveis para que tenhamos forças para seguir em frente e superar as dificuldades que não são poucas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a sua participação.
Seja bem-vindo e volte sempre!
Quer comentar e não tem conta?!
1- Escolha a opção Nome/URL
2 - No espaço Nome coloque seu nome ou seu apelido
3 - No espaço URL coloque o link do seu site, blog, vlog, tumblr... (não é obrigatório).


CLUBE DO LIVRO MARANHÃO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.
DESIGN E DESENVOLVIMENTO POR SOFISTICADO DESIGN.